Home / Destaque / Trump ameaça cortar ajuda de quem votar contra Israel na ONU

Trump ameaça cortar ajuda de quem votar contra Israel na ONU

Trump IsraelO presidente, Donald Trump, mandou um recado claro ao mundo nesta quarta-feira (20). Ele poderá cortar a ajuda dos EUA aos países que votem na ONU uma resolução condenando o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel. Uma reunião de emergência foi convocada pelos países islâmicos para esta quinta, com o objetivo de tratar do assunto.

Em uma declaração feita na Casa Branca, Trump avisou: “todas estas nações tomam de nós centenas de milhões de dólares e até bilhões de dólares, e depois votam contra nós. Bem, estaremos observando estes votos. Deixa eles votarem contra nós, vamos economizar bilhões”. Isso incluiria o Brasil, que vem ficando sistematicamente contra Israel.

Os 193 países da Assembleia Geral da ONU irão reunir-se amanhã para tratar sobre Jerusalém. O objetivo seria mostrar que os EUA e Israel estão sozinhos, mas nenhum país tem direito de veto nesta reunião.

Durante a reunião do Conselho de Segurança da ONU, na segunda-feira, Washington exerceu o seu direito de veto após os 14 outros países-membros votarem para que os EUA cancelassem o reconhecimento de Jerusalém e que qualquer decisão sobre a cidade deveria ser negociada com os palestinos.

Trump, na verdade, reiterou o que disse na terça-feira, Nikky Haley, a Embaixadora dos EUA nas Nações Unidos. Em carta enviada a dezenas de estados-membros, incluindo delegações europeias, alertou que seus votos seriam observados atentamente pelos Estados Unidos. Enfatizou que nenhum outro país poderia lhes dizer onde os americanos deveriam colocar a sua embaixada.

O gesto tem sido visto como uma medição de força diplomática, sobretudo contra os países islâmicos. Liderados por Erdogan, presidente da Turquia, no dia 13 a Organização para Cooperação Islâmica decidiu reconhecer Jerusalém como capital da Palestina. Também anunciaram que farão um esforço para que os palestinos tenham um Estado reconhecido pela ONU, o que forçaria uma posição oficial sobre a capital.

A postura dura dos Estados Unidos pode resultar em sanções a quem ficar contra Israel. Após Trump ter decidido em outubro a saída do seu país da UNESCO, foram acompanhados por Israel. Com informações Gospel Prime

Veja Também

Pastor Israel

Pastor ligado a Trump destaca a importância de Bolsonaro defender Israel

Compartilhar no WhatsappMario Bramnick acredita que mudança da embaixada trará bênçãos para o Brasil Durante ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>